Tá com pressa né?

Nos últimos dias, tenho percebido um ar diferente no trânsito de Curitiba… Ao andar por aí, parece que o desrespeito com o ciclista (eu, neste caso) aumentou…

Fiquei tentando entender e observava que quando eu era desrespeitado era devido ao excesso de velocidade… A pressa. Pessoas vivem com pressa e agora com essa “política” de reorganização do trânsito das regiões vicinais ao centro, parece que as pessoas estão com mais pressa…

Asfalto novo… Concluí que as pessoas querem mais asfalto… Bom… tudo bem…

Mas eu vou usar o meu direito de ciclista também. Até porque, acho incoerente este código de trânsito.  Se estou numa rápida, ando bem no meio da faixa. Podem buzinar, acelerar… Eu não saio. Se eu me escondo na lateral, ninguém me respeita… Não sei se estou agindo corretamente… Mas… Sei que é a única maneira de conseguir andar por aí…

Não creio na boa fé dos motoristas.

Deixo aqui uma frase de Dota Kehr, a Princesa da Gorjeta. Ela é uma cantora alemã que usa melodias brasileiras em suas canções:

Zivilisation ist die ständige Vermehrung unnötiger Notwendigkeiten ou,

A civilização é o aumento progressivo das necessidades desnecessárias.

Abraços a todos

CURITIBA ESTÁ AFUNDANDO !

Avenida Winston Churchill, equina com rua Olindo Sequinel, um buraco de mais de um metro de diâmetro se abre num dos cruzamentos mais movimentados do bairro Pinheirinho.

Enquanto era apenas um derruba-ciclista, nenhuma providência se fazia necessária.

Agora que o buraco ficou, beemmm mais embaixo, literalmente falando; o poder público municipal se fez presente. Aí param o trânsito, enchem de placas “Curitiba em obras”, deslocam agentes do Diretran, enquanto as empreiteiras vão lá, para sugarem mais um pouco do erário. Estranho né ?!? Ganham horrores para fazer mal feito e, depois, ganham mais um pouco para refazerem a lambança. Enquanto isto a imprensa oficial do município (RPC e Gazeta do Povo, colocam a culpa naquela que não tem como se defender: as “excessivas chuvas”. Como se, pela primeira vez na vida, chovesse tanto assim nesta época em nossa cidade. Engraçado que, para a região metropolitana, a culpa sempre é do Governo.