Roubalheira na Assembleia Legislativa do Paraná e Bicicletada

Não, definitivamente não ! Não tem como não associar as duas coisas. Depois de tantas negações, vamos ao ponto em que elas (ALEP e Bicicletada) se encontram.

Fazendo um recorte recente no tempo, volto ao episódio da empreiteira que bancava as contas do então, presidente do Senado, Renan Calheiros. No que deu aquele episódio ? Ou então, no Senado ainda, os Atos Secretos e os Fantasmas, além de várias outras “coisinhas miúdas” da gestão José Sarney, como mesmo foi “resolvido” o problema ? Ahh…mas o Arruda foi cassado ! Então me conte, quem ficou no lugar dele ?

Aqui no Paraná, Nelson Justus e Alexandre Cury, comandam e operam aquilo que, tornou-se lugar comum na administração pública brasileira. Inclusive, houve até um deputado que argumentou ser esta uma prática herdada já de outras gestões. Como se fosse a coisa mais comum do mundo a roubalheira generalizada.

A primeira vez que ouvi falar em Critical Mass, foi quando entrei no blog da Bicicletada e fui conferir qual era o lance. De imediato me identifiquei com a ideia. Chega de massa de manobra ! Tanto alienadamente votando nos Justus, Sarneys e Serras da vida; quanto, envernizados de discursos ideológicos que, no final das contas, acabam sempre servindo aos interesses desta plutocracia em que vivemos.

A Bicicletada, me corrijam se eu estiver errado, é a organização espontânea e crítica, pessoas minimamente conscientes daquilo que defendem e da transformação que almejam alcançar.

Juntando os 4 parágrafos anteriores chego à solução do problema. Para uma sociedade, cujas estruturas da administração pública, estão definitivamente condenadas pela praga da corrupção; só mesmo a mobilização e iniciativa das pessoas, Critical Mass, longe de estruturas que possam abduzir o sonho da mudança coletiva, em troca de benefícios pessoais e/ou corporativos.

Não será  pelo voto, que veremos alguma coisa mudar neste país ! Vejam os  gregos, dando lição de organização popular, lutando contra esta plutocracia transnacional que achaca e não encontra limites na hora de defender os lucros daqueles que garantem a miséria global.

Não, definitivamente não ! Não tem como participar da Bicicletada e não pensar, nos desdobramentos e significados muito maiores que ela pode estar plantando em nossas ideias.

Fotografias da Bicicletada Curitiba, dia 29 de maio de 2010

Olás,

Então, aqui estão algumas fotografias da Bicicletada Curitiba, realizada dia 29 de maio de 2010. Novamente Curitiba pôde contar com o colorido animado e reivindicador dos ciclistas curitibanos sobre suas desmotorizadas bicicletas. Gostaríamos de agradecer a Cicles Langner que nos patrocinou adesivos com mensagens cicloativistas. Critical Mass na veia, assim é a Bicicletada Curitiba.

Fiquem todos a vontade para utiliza-las como e onde quiserem, só por gentileza, coloquem um link com o seguinte crédito: www.bicicleteiros.com.br

Caso alguém queira com maior resolução e sem as edições, deixe um comentário aqui com email solicitando, envio sem pobrema (nem custo) nenhum.

Até o dia 26 de junho,

Um abraço

oscar

[nggallery id=8]

Grupo Transporte Humano

GRUPO TRANSPORTE HUMANO

Como já enunciava “Lavousier” na Internet nada se cria, nada se transforma, TUDO SE COPIA. E é com muita honra, alegria – e sem nenhum pouco de vergonha na cara – que desde o começo assumimos: Copiamos sim ! Copiamos um pouco a ideia da Bicicletada, do Apocalipse Motorizado e do Grupo Transporte Humano, deste inclusive, mais até do que imaginávamos. Explico.  Ao tomar contato com todos estes projetos acima, de imediato me identifiquei com suas propostas. Critical Mass, Sobre a política de bicicletas em Curitiba, Vaga viva e Bicicletada, Porque dirigimos assim ?; quase que esgotei todos os posts deste pessoal.

Tudo isto, associado a minha experiência cotidiana de bicicleteiro da canaleta, deu luz à uma ideia. E se em grupos de 3 ou mais ciclistas, saíssemos a pedalar pelas vias laterais ao corredor dos ônibus ? Sim é perigoso, por ser uma pista estreita e estar povoada com os contumazes “apressadinhos” . Mas espera aí, no grupo nos fortalecemos, quero dizer, haveremos de ser menos desrespeitados.

Segundo ato. Depois de incontáveis horas e um sem números de recomeços (nestas coisas de wordpress, registro.br, host, etc), eis que finalmente vai ao ar o bicicleteiros.com.br. No segundo comentário, recebido no primeiro post do blog, vem a gratificante mensagem do Luis Patricio do GTH (Grupo Transporte Humano), no qual ele fala sobre o ComBi, uma proposta que, em tudo tem à ver com o que propomos aqui no Bicicleteiros. Detalhe, eu ainda não tinha visto o ComBi dentro do GTH.

Se nós TODOS, vamos conseguir contribuir para a mudança do Mundo não sei, seria até muita pretensão se apresentar com este propósito, mas por certo, neste nosso microcosmocuritibano já começo a perceber que existe um punhado de bem-intencionados que, para além de discursos estão arregaçando as mangas e, partindo à luta . Como atrás do trio-elétrico, só não vai quem já morreu, eu, vivinho vou, pedalandinho e faceiro, na cola deste povo.